terça-feira, 18 de novembro de 2008

CALE A BOCA

Cale a boca
Meu amor, cale a sua boca imunda.
Eu não vou ouvir as suas poesias de idéias prontas.
Muito menos guardar as suas flores na minha sala de estar.
Não sou eu quem vai te ensinar a ser macho aos trinta e cinco anos de idade.
Not, não é assim que se faz.

Vem cá, chegue mais perto!
O que que é? Tá com medinho?
Ah, já sei!
Seu pau não resiste a minha bunda grande.
Acertei?
Nossa, mas que coisa mais antiquada,
sempre aceso por um cuzinho, não é?
Isso é o máximo da sua virilidade masculina?
Boy, não me decepcione assim!!

Me passe um cigarro!
Obrigada!
Vamos lá, sua última chance,
você tem um
minuto pra me convencer
a trepar com você.
Pammmmm!!
Errado!

Você me ama, isso é resposta?!
Você acha que as mulheres
só vão pra cama por amor?
Baby, eu sei separar amor de sexo!
Isso te assuta?

Apaga a luz.
Preste atenção no que vou te falar:
Amanha eu não quero que você me ligue pra dizer que eu fui a sua melhor.
Eu vou ser a melhor e não preciso que você diga nada.

Tire a Roupa

3 comentários:

Google disse...

kkk..gostoso de ler.

Cosme Silva disse...

Uma belezura de blog, uma graça de poemas e escritos. Parabéns, to te acompanhando de perto. Um abraço.

laysa disse...

Puta que pariu, so dizendo assim !!

Perfeito, sei lá como descrever o que acabei de ler.

Melhor eu citar, então:

"Amanha eu não quero que você me ligue pra dizer que eu fui a sua melhor.
Eu vou ser a melhor e não preciso que você diga nada."

Visite o meu...

em.forma.de.flor.zip.net